Carrinho (0,00) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

A Escola Ideal

escola

Passada a licença de maternidade de 6 meses, uma das grandes dificuldades que tivemos quando o L teve que ir para o berçário, foi precisamente encontrar a escola ideal.

 

Artigo relacionado: Fraldas, Babywearing, e outras coisas mais

Seis meses passam num instante…para quando a extensão para, no mínimo, 1 ano, senhores políticos?

Contactámos várias entidades e fizemos algumas visitas.

Finalmente decidimo-nos, de acordo com o que sentimos que era o melhor para ele, e dentro das nossas possibilidades.

No próximo ano lectivo, vai ter que mudar de escolinha, e lá vamos nós novamente percorrer a lista das instituições que pensamos que melhor se adequam aos interesses e às necessidades do L.

Agora que está mais crescido, os requisitos da nossa escola ideal mudaram um pouco.

Mas preferencialmente tem que ser “humana”, e ter um espaço exterior para brincar livremente.

Quando refiro “humana”, significa que terá que respeitar a individualidade de cada ser, bem como as suas necessidades e o seu ritmo.

E, sobretudo, sem quadro de honra, escolarização precoce, etc. etc. etc. (a lista seria interminável…).

E no espaço exterior, tem que existir uma área sem brinquedos nem brincadeiras pré-definidas, para dar largas à imaginação.

Como se fosse uma folha de papel em branco, pronta para ser pintada como bem entendermos.

No fundo, seria um espaço em aberto, para que as brincadeiras sejam sempre diferentes, e onde se possa sujar à vontade.

Aqui, o adulto teria um papel apenas de supervisionar e garantir que as crianças não se magoem com as brincadeiras.

Mas sem imposições.

E, se possível, uma zona onde possa ter contacto com a natureza no seu estado natural.

Aqui, o nascimento das Forest School no nosso país começa a ter um papel preponderante.

A melhor escola, por vezes, é a própria natureza, cheia de ensinamentos sábios que só as crianças entendem, no seu ritmo, e na sua capacidade inata de estarem “presentes”.

A imagem que escolhi como capa para este artigo, reflecte isso mesmo.

Na nossa varanda temos uma mini-horta biológica de morangos e tomates, o que o ajuda a perceber de onde vem a comida.

Desta forma, poderá desenvolver muitas características humanitárias e sociais, ao contactar directamente com a natureza e a aprender a respeitar e a tomar conta do meio ambiente, dando-lhe também carinho e amor.

Aprenderá também a lei do retorno, em que recebemos a dobrar aquilo que damos de graça, sem segundas intenções.

Claro que o factor preço tem um papel preponderante na escolha final (infelizmente).

Mas isso não significa que a escolinha com o preço mais caro seja a melhor, muito pelo contrário.

Apesar de hoje em dia a internet dar-nos a possibilidade de saber muitas informações sobre as instituições, nada se sobrepõe à visita presencial.

É desta forma que vamos “sentir” o espaço, e principalmente as pessoas.

O falar com a futura educadora (ou educador) do nosso filho é um factor primordial.

Saber e conhecer um pouco quem é a pessoa com quem o nosso filho vai passar grande parte do seu dia é muito importante.

Afinal de contas, hoje em dia as crianças passam grande parte do dia fora de casa.

É muito importante que se sintam acolhidas num ambiente familiar, com pessoas de confiança.

Apesar de eu fazer materiais pedagógicos Montessori, e identificar-me mais com esta pedagogia de ensino, não quer dizer que não simpatize também com as outras mais conhecidas: Waldorf, Reggio Emilia, High Scope, MEM, entre outras.

Não quer dizer que Montessori está certa e as outras estão erradas.

E que, por causa disso, não exista espaço para serem aceites e introduzidas na nossa vida familiar, e no nosso quotidiano.

Apenas procuro um equilíbrio entre o que eu acho que seja o mais correcto, dentro da minha ideologia do que deveria ser a pedagogia de ensino perfeita, e absorvo um pouco de todas.

Por vezes dá vontade de juntar um pouco de todas as pedagogias de ensino e fazer uma super-pedagogia, com o melhor (ou assim pensamos) de cada uma.

Cada família tem as suas ideias definidas do que será o melhor para o seu filho,

E o que é bom para uns pode não ser para outros.

Mas mais que tudo isto, a escola é feita por pessoas, e são essas pessoas que vão cuidar do meu filho durante a maior parte do dia.

São essas pessoas que também vão incutir-lhe valores e mostrar como funciona e como se interage com o mundo.

A escola ideal é aquela que ainda não existe no presente, mas que está na mente de cada um de nós.

Cabe a nós fazermos o melhor que pudermos para a escola do nosso filho ser a melhor possível, e para que ele sinta bem.

Não começa apenas quando o vamos deixar à escola, e não termina quando o vamos buscar.

Dura o tempo que nós quisermos.

O que é a escola ideal para ti?

Deixa o teu comentário, gostaria de saber a tua opinião.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Geração Sem Fios
» O que estamos a fazer às nossas crianças?
» Férias Grandes
» A importância de ser um pai Presente

RESPOSTA

O seu endereço de email não será publicado.

Ao publicar um comentário neste site, concordas com a politica de privacidade do site acerca de como os teus dados são guardados e geridos.

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian

Categorias de Produtos

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian