Carrinho (0,00) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

Um Triângulo de Escalada/inspiração Pikler® muito especial

Recentemente, fui contactado para um pedido muito único e diferente: uma proposta para fazer um Triângulo de Escalada (também conhecido como triângulo de inspiração Pikler®) com uma rampa.

E no passado dia 10, fez precisamente 4 meses que o fui entregar pessoalmente.

 

O que é um Triângulo de Escalada/inspiração Pikler®?

Bem, se calhar o melhor é perceber qual a origem deste nome.

“A abordagem Pikler® para crianças dos 0-3 anos foi desenvolvida pela médica Húngara Emmi Pikler (1902-1984), que somou a sua experiência de dez anos como médica de família ao trabalho realizado na instituição de acolhimento situada na Rua Lóczy, em Budapeste (…). Autora e conferencista conhecida pela sua abordagem revolucionária com os cuidados infantis, em 1946,  fundou um infantário em Budapeste, Hungria: o Instituto Pikler®. Esta abordagem está embasada no cuidado com a saúde física e no respeito pela individualidade de cada criança, e tem como princípios fundamentais a relação privilegiada entre mãe/educadora e o bebé, e o desenvolvimento da autonomia através do brincar livre”

(Fontes: Abordagem Pikler – Educação Infantil; Pikler Lóczy USA)

 

O Triângulo de Pikler® (na sua versão original, mais pequena e minimalista) foi criado precisamente pela Drª. Emmi Pikler, para encorajar os bebés e as crianças que estão a começar a andar, a ganharem confiança, estabilidade e força, no seu próprio ritmo.

 

pikler
Triângulo de Pikler® original,

 

Os princípios orientadores desta abordagem vão muito de encontro ao praticado pelo método pedagógico criado por Maria Montessori, em que o foco está também no respeito pela individualidade e autonomia de cada criança, fornecendo ferramentas (sejam materiais ou mobiliário específico) que fomentem esses mesmos princípios e que encorajem a criança a ser mais autónoma, independente e confiante, crescendo ao seu próprio ritmo de desenvolvimento.

Devido a estas características, é por isso muito comum encontrarmos estruturas Pikler® inseridas na comunidade Montessori (escolas, centros de aprendizagem, etc.).

Em relação ao triângulo de Pikler®, mais tarde surgiram algumas variações: estruturas maiores e que sejam capazes de se fechar, para facilitar o armazenamento.

 

Voltando ao pedido que me foi feito…  o que tem de único?

Primeiro, porque foi pensado pela avó de uma menina autista para desenvolver a sua motricidade, e seguidamente apoiado e recomendado pela sua pediatra.

Além disso, tem medidas diferentes ao que normalmente se encontra no mercado, ou não tivesse sido feito por medida.

 

É um tamanho grande, com altura e comprimento generosos, e largura suficiente para estarem duas crianças a brincarem lado a lado.

E claro, robusto o suficiente para suportar o peso de ambas.

Não sei explicar, mas assim que recebi este pedido, identifiquei-me imediatamente com ele, e senti que deveria fazer esta estrutura.

Foi com enorme gratidão e humildade saber que a escolha recaiu sobre mim, entre várias opções. A aposta no mercado português era também uma das condições mais desejadas por esta avó, e faz todo o sentido que assim seja.

Os portugueses também sabem fazer bem, e somos muito bem vistos no estrangeiro como pessoas trabalhadoras, honestas, e produtoras de trabalho de qualidade.

A arte da marcenaria não é excepção, e o nosso trabalho com as madeiras é muito apreciado lá fora.

Assim que soube o que seria necessário fazer, um mapa da estrutura com todas as ligações entre as peças começou a tomar forma na minha mente.

Algumas pontas soltas foram deixando de o estar com o passar dos dias.

Dei por mim a adormecer a pensar na melhor forma de fazer esta estrutura, garantindo a sua segurança, robustez e integridade, e ao mesmo tempo com pormenores que a possam distinguir.

 

Este foi um projecto feito à medida, com requisitos específicos.

 

Apesar de ter sido feito baseado em medidas fornecidas por uma fotografia, não hesitei em fazer alterações para não comprometer o centro de gravidade e o ponto de equilíbrio da estrutura.

Por ter medidas muito grandes, é necessário pensar em muitos pormenores, mesmo os mais intrínsecos.

 

Alguns esboços foram feitos, rabiscos desenhados, e a estrutura final começou a ganhar forma no papel.

pikler
É importante ter todas as ferramentas de trabalho bem afiadas, mesmo aparentemente as mais insignificantes

 

Existem vários aspectos que tiveram que ser considerados aquando do seu esboço: a espessura das barras e o espaçamento entre elas, o ângulo formado pela abertura da estrutura, etc.

Foram todos pormenores calculados ao milímetro, e que resultaram numa estrutura ímpar.

 

 

pikler
Nada como fazer experiências com os modelos à escala real

 

Os desenhos e as alterações foram partilhados com a avó desta menina, para que estivéssemos todos alinhados em relação ao formato da estrutura.

E depois… mãos à obra!

Sim, literalmente mãos à obra, porque este foi um projecto verdadeiramente artesanal.

Existem duas formas de fazer as coisas: com o recurso a máquinas, ou apenas com ferramentas manuais.

 

Artigo relacionado: Trabalhos Manuais

 

Os dois mundos complementam-se, e funcionam como que numa espécie de simbiose, quando bem aplicados.

 

Por exemplo, quando se querem muitas peças idênticas, feitas num curto espaço de tempo, as máquinas dão uma grande ajuda e permitem ter um elevado ritmo de produção, com a mínima intervenção humana.

Por um lado, poupamos tempo, não nos cansamos tanto e ficamos com as coisas feitas.

Por outro lado, as máquinas quase que nos tornam “adormecidos”, entorpecendo os nossos músculos, os nossos sentidos, a nossa percepção perante a realidade.

 

O trabalho manual permite-nos criar peças exclusivas.

Envolve-nos de tal forma que somos obrigados a usar todas as nossas habilidades, os nossos sentidos, experiência e conhecimento.

Permite-nos treiná-los e desenvolvê-los.

pikler
A parte do acabamento é muito importante, e não deve ser apressada

 

A curva de aprendizagem é maior? Sim, mas a satisfação de ver algo a ser produzido pelas nossas próprias mãos não tem explicação. O nível de confiança aumenta e o nosso horizonte expande-se para fora da zona de conforto. A evolução acontece de uma forma natural. E a experiência adquirida transporta-se para a nossa memória muscular, e aí permanece, disponível para ser usada sempre que for necessária.

 

Mas espero não estar a deturpar o que quero transmitir.

As máquinas são necessárias e fazem falta.

Trata-se apenas de juntar o melhor dos dois mundos e saber quando usar, e o que usar.

 

Mas abraçar este projecto de uma forma inteiramente artesanal foi muito importante para mim, porque permitiu-me desafiar os meus conhecimentos e aprimorar a minha  técnica amadora.

 

Artigo relacionado: Porque sou um amador

 

Tive que utilizar ferramentas que raramente uso, e técnicas que nunca tinha experimentado. São aquele tipo de ferramentas muito específicas e especializadas, que pensamos se algum dia as vamos a usar. E quando precisamos delas, ficamos contentes por tê-las comprado, sabendo precisamente que um dia iriam ser úteis.

 

pikler
Tupia manual. Quem diria que viria a ser tão útil?…

 

Com um prazo para cumprir, cheguei a pensar onde é que me tinha ido meter e porque é que tinha aceite este desafio… mas as coisas acontecem por alguma razão, e não há tempo para pensar em voltar atrás, ou tomar atalhos.

A pressa é inimiga da perfeição, e por vezes, os atalhos consomem-nos mais tempo do que o normal. As coisas podem não ficar bem feitas, e no fim ainda é necessário perder tempo a reparar o que poderia ter sido evitado. Os atrasos sucedem-se e a frustração aumenta.

 

E que satisfação ver o modelo que idealizámos tornar-se realidade perante os nossos olhos! Perante as nossas próprias mãos!

 

E claro, tudo o que eu faço tem que ser testado por mim, e depois pelos meus filhos.

Confesso que quando eu experimentei, fiquei um pouco receoso de que algo corresse mal e que a estrutura se desmontasse, mas ao mesmo tempo estava muito confiante, porque fi-la precisamente para suportar pesos mais pesados.

 

pikler
No início foi um pouco com medo, mas depois não queria outra coisa

 

 

Existe algo de mágico quando olhamos para um desenho, e de repente temos o modelo à escala real terminado, mesmo à nossa frente.

pikler
Quando damos por nós, a magia acontece

 

E aí paramos um pouco e pensamos… “eu fiz mesmo isto??…”

 

E fico feliz por saber que esta estrutura vai ser muito útil.

 

Não interessa tanto o que fazes, mas sim como fazes.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Tipos de Madeira
» Vantagens dos brinquedos de madeira
» O que estamos a fazer às nossas crianças?
» Como trabalho a madeira

 


 

Acreditamos que todas as crianças têm direito à sua individualidade e criatividade, num ambiente familiar, preparado para o seu desenvolvimento.
A nossa visão é que todos os bebés e crianças se possam desenvolver de uma forma integral, autónoma e responsável, através do fornecimento de mobiliário e materiais pedagógicos de elevados padrões de qualidade.

 

 

O que as outras pessoas têm a dizer acerca dos nossos produtos:

 

Tanto a qualidade como os acabamentos excederam as expectativas. Nota-se um cuidado extremo e isso dá-nos imensa segurança no produto. Compraria sem dúvida outro material ao Papai Tó.
Recomendaríamos tanto pela qualidade como pela preocupação constante para atingir o perfeccionismo dos produtos.

Ana Castela

 

Ouvimos falar do conceito Montessori pela primeira através do Papai Tó, e apaixonámo-nos. E quando soubemos que podíamos encomendar estes materiais incríveis, ainda por cima feitos à mão com todo o carinho e atenção que o António coloca em tudo o que faz, e além disso feito com materiais biológicos, seguros e sustentáveis, tivemos de arranjar uns para o nosso pequeno rebento. Começou a utilizar os materiais e adorou-os tanto que os levamos connosco para onde quer que vamos. Desde o alívio que proporcionam nas gengivas, aos sons agradáveis e calmos que produzem, á forma como treinam a manipulação de objectos, estamos a adorar a experiência de ver o nosso pequeno a desenvolver-se e a divertir-se ao mesmo tempo.
Sentimos que devemos recomendar produtos e serviços em que realmente acreditamos e que fizeram a diferença para nós.
Recomendamos o Papai Tó sempre a todos os pais que conhecemos com filhos mais pequenos. Artesanato português com uma missão inspiradora e energia muito especial.

Bia Gabriel

 

Se te identificas com este projecto, segue a nossa página no facebook e adere ao nosso grupo privado para ficares a saber das últimas novidades em materiais e mobiliário de madeira de inspiração Montessori e Pikler com promoções exclusivas.

 

É tudo uma questão de equilíbrio

Tudo na vida tem que ter um equilíbrio.

Os excessos não fazem bem a ninguém, mesmo que à partida pareçam benéficos.

A longo prazo, irão evidenciar-se cada vez mais, o que poderá afastar-nos da nossa sanidade.

Necessitamos do equilíbrio para nos mantermos sãos.

O nosso corpo assim pede.

A nossa mente assim exige.

O nosso coração assim sente.

 

O L já está muito crescido e estava na altura de lhe fazer uma nova surpresa.

 

Artigo relacionado: A minha Busy Board

 

Algo que ele poderia usar para treinar a motricidade, equilíbrio, imaginação, e tudo mais que ele quisesse. Não que ele necessitasse muito para o seu desenvolvimento, mas fazia-lhe falta mais alguns desafios.

Na altura existiram várias opções, mas o balancé (também chamado de “rocker”) foi o escolhido.

O balancé/rocker é um material muito versátil.

Pode ser utilizado como:

  • Balancé
  • Estrada para carrinhos
  • Tenda
  • Esconderijo
  • Espreguiçadeira
  • Túnel
  • Ponte
  • Balcão de cozinha

 

Só mesmo a imaginação é que vai ditar a forma como vai ser utilizado!

 

equilibrio

E claro que não podia deixar de experimentar a minha criação.

Este que construí tem um dado acrescido: é de tal forma resistente que aguenta com um adulto!

Nunca tinha andado em algo deste género, confesso.

Foi uma sensação indescritível!

Um misto de satisfação e liberdade preenche-nos, o que nos faz esquecer de tudo o resto.

A minha criança interior recordou-se de como é bom brincar sem regras, sem pensar em mais nada.

Brincar livremente, no presente.

Até posso confidenciar que as visitas de adultos também querem experimentar qual é a sensação de balançar numa estrutura deste tipo!

 

Artigo relacionado: O que estamos a fazer às nossas crianças?

 

E melhor do que andar apenas um adulto é…  andarem um adulto e uma criança!

Ficamos um pouco apertados, é certo, mas tinha também que experimentar andar com o meu filho. Agarrámo-nos bem os dois e lá fomos nós!

 

equilibrio

 

 

E quando começou a ganhar mais confiança, ele lá pedia para andar um pouco mais rápido…

Ah, e claro que tive de testá-lo de várias formas, e levá-lo ao limite.

Tentei tombá-lo para frente e para trás mas torna-se bastante seguro, pois as extremidades salientes garantem que isso não aconteça.

E fica com um design atrativo, e que dá para puxar pela imaginação.

O que será que parecem?

Uma minhoca?

Uma serpente?

Um dinossauro?

Uma tartaruga?

 

Existem vários tipos de balancés/rockers no mercado, mas este é único.

Primeiro, porque foi feito por mim, com alterações de design.

E depois, porque foi feito a pensar no L.

O L é um rapazinho bem constituído, sem ser gordo.

Já mede cerca de 1 metro, com cerca de 3 anos.

Com estas medidas, cheguei à conclusão que os tradicionais balancés/rockers não seriam uma boa opção para ele, já que são de dimensões um pouco reduzidas para a sua estrutura.

Com o crescimento que ele tem, rapidamente ficariam postos de parte e durariam pouco tempo.

Assim, decidi construir um que lhe permitisse usufruir durante muito mais tempo, com algumas particularidades.

Algumas já foram aqui faladas, e outra é que eu quis que as estruturas curvas (onde as tábuas assentam) fossem um pouco largas e uniforme em todo o seu comprimento.

 

Porquê?

Bem, primeiro, porque dá um suporte extra a quem está a balançar.

E por outro lado, permite ter um espaço mais largo para brincar.

Já aconteceram aqui muitas corridas de carros…

 

 

equilibrio

 

E se te disser que toda esta estrutura foi feita artesanalmente, utilizando apenas ferramentas manuais?

Curioso o que se pode fazer com meia dúzia de ferramentas bem afiadas…

 

Artigo relacionado: Trabalhos Manuais

 

Por vezes pensamos que estamos dependentes das máquinas para fazer qualquer coisa.

 

 

equilibrio

 

A nossa confiança pode entrar em declínio quando permitimos que a tecnologia invada o nosso espaço e deixamos de fazer trabalhos manuais.

Contruir e fazer coisas fez sempre parte da humanidade.
Está no nosso sangue.
Só assim conseguimos sobreviver desde os tempos primórdios.

O rigor de construção é idêntico ao conseguido com a utilização de máquinas. As máquinas são conhecidas por efectuarem cortes com precisão milimétrica, mas se existir rigor e método na construção, a arte manual não fica em nada atrás das máquinas.

 

equilibrio

 

É muito gratificante e recompensador materializar uma ideia que cresceu na nossa mente.

Pensamentos vagos que foram delineados em papel, e que depressa não tardaram a tornarem-se uma realidade.

 

 

equilibrio

 

O tempo passa muito rápido quando fazemos o que gostamos.

No fundo, é tudo uma questão de equilíbrio.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Vantagens dos brinquedos de madeira
» Porque sou um amador
» Segurança nos Brinquedos – EN 71 e COVs
» A melhor madeira para os bebés

 


 

Acreditamos que todas as crianças têm direito à sua individualidade e criatividade, num ambiente familiar, preparado para o seu desenvolvimento.
A nossa visão é que todos os bebés e crianças se possam desenvolver de uma forma integral, autónoma e responsável, através do fornecimento de mobiliário e materiais pedagógicos de elevados padrões de qualidade.

 

 

O que as outras pessoas têm a dizer acerca dos nossos produtos:

 

Tanto a qualidade como os acabamentos excederam as expectativas. Nota-se um cuidado extremo e isso dá-nos imensa segurança no produto. Compraria sem dúvida outro material ao Papai Tó.
Recomendaríamos tanto pela qualidade como pela preocupação constante para atingir o perfeccionismo dos produtos.

Ana Castela

 

Ouvimos falar do conceito Montessori pela primeira através do Papai Tó, e apaixonámo-nos. E quando soubemos que podíamos encomendar estes materiais incríveis, ainda por cima feitos à mão com todo o carinho e atenção que o António coloca em tudo o que faz, e além disso feito com materiais biológicos, seguros e sustentáveis, tivemos de arranjar uns para o nosso pequeno rebento. Começou a utilizar os materiais e adorou-os tanto que os levamos connosco para onde quer que vamos. Desde o alívio que proporcionam nas gengivas, aos sons agradáveis e calmos que produzem, á forma como treinam a manipulação de objectos, estamos a adorar a experiência de ver o nosso pequeno a desenvolver-se e a divertir-se ao mesmo tempo.
Sentimos que devemos recomendar produtos e serviços em que realmente acreditamos e que fizeram a diferença para nós.
Recomendamos o Papai Tó sempre a todos os pais que conhecemos com filhos mais pequenos. Artesanato português com uma missão inspiradora e energia muito especial.

Bia Gabriel

 

Se te identificas com este projecto, segue a nossa página no facebook e adere ao nosso grupo privado para ficares a saber das últimas novidades em materiais de madeira de inspiração Montessori e Pikler com promoções exclusivas.

Não interessa o que fazes, mas como fazes

“Não interessa o que fazes, mas como fazes”.

Não sou o autor desta frase, mas identifico-me muito com ela.

Por outras palavras, não interessa o fim propriamente dito, mas sim o caminho percorrido até chegar lá.

No meu caso, todo o carinho, todo o amor, toda a experiência que tenho são colocados em prática quando faço uma peça em madeira.

Desde o momento da compra da madeira no seu estado bruto, até à fase final do acabamento, em que é necessário respeitar o meio-ambiente e a saúde das nossas crianças.

 

Artigo relacionado: Porque sou um amador

 

Seja para o meu filho, seja para a casa, seja para outra pessoa (que posso ou não conhecer pessoalmente), não existe distinção.

A qualidade final do trabalho é a mesma.

Não estou só focado no resultado final, como em todo o processo de execução.

Existe qualquer coisa de mágico no processo de ir à serração comprar a madeira no seu estado bruto, e contemplar a sua transformação, à medida que vou trabalhando nela.

Grandes riquezas emergem à medida que se vai aplainando a madeira… a sua textura começa a ganhar vida, qual D. Sebastião que reaparece no meio do nevoeiro… cheiros harmoniosos pairam no ar…

Visualizo a peça final, já terminada, e as minhas mãos encarregam-se de transformar a minha visão em realidade.

Se já existe na minha mente, é porque é real e exequível.

O trabalhar com ferramentas manuais é um factor predominante na minha forma de trabalhar, é onde me sinto mais à vontade.

 

Artigo relacionado: Como trabalho a madeira

 

E, para mim, não é só o produto final tem que corresponder ao rigor e empenho colocados. O tipo de acabamento utilizado tem que respeitar o meio-ambiente e as normas de segurança em vigor.

Não basta apenas garantir que as superfícies fiquem bem lisas e suaves ao toque, com as arestas arredondadas, para não ferir as mãos.

Sabes, seria muito fácil não me importar com esta parte da finalização.

Mas não conseguiria ficar bem comigo próprio, sabendo que existem dois caminhos a seguir, e que teria optado pela via menos ética.

A via mais fácil e mais rápida nem sempre é a melhor.

Na minha área de actividade, confesso que, por exemplo, seria muito fácil utilizar um óleo, verniz ou tinta que não respeitasse o meio-ambiente e a Norma Europeia de Segurança de Brinquedos EN 71-3.

E argumentar o contrário.

 

Não interessa o que fazes

 

 

É que não é muito fácil explicar os cuidados necessários na escolha de um acabamento certificado.

 

Artigo relacionado: Segurança nos Brinquedos – EN 71 e COVs

 

A EN 71, é a norma que define os requisitos de segurança para todos os brinquedos vendidos na União Europeia.

É dividida em 13 partes, sendo que a parte 3 é a que define a especificação para a migração de certos elementos.

O que quer isto dizer?

Existem elementos que estão presentes em muitos produtos e que são tóxicos, se os valores excederem os permitidos por lei.

Elementos tais como níquel, crómio, cádmio, arsénico, cobre, chumbo, alumínio, mercúrio, etc, são apenas alguns que se podem encontrar em brinquedos, por exemplo.

A EN 71-3 regulamenta e controla qual a quantidade máxima que pode existir em cada elemento, e que possa apresentar risco de toxicidade para as crianças.

Não basta apenas que tenha o rótulo de “ecológico” ou “amigo do ambiente”.

É algo que parece banal, à primeira vista, mas que convém analisar pormenorizadamente para que as suas vantagens fiquem bem claras.

 

O cuidado com os acabamentos utilizados é muito importante, porque estamos a zelar:

  • Pela saúde em geral, e principalmente pela saúde dos bebés e crianças;
  • Pelo respeito com o meio-ambiente;
  • Pela conservação da madeira.

 

A madeira pode resistir durante muito tempo, sem ser necessário nenhum tipo de acabamento.

Mas dura muito mais se for protegida.

E, no caso dos mordedores de madeira para bebés, por exemplo, é importante também por causa da saliva dos bebés, que por vezes pode ser um pouco ácida.

A madeira, em termos genéricos, tem o que se chama “pêlo”, que não são mais do que as fibras da madeira. Diz-se que a madeira tem o pêlo levantado quando existe o eriçar das pequenas fibras da madeira que se encontram à superfície.

Isto acontece especialmente no contacto com água ou com outro tipo de líquidos.

Líquidos mais difíceis de limpar que a água (mais gordurosos, por exemplo), podem inclusive danificar a madeira não tratada com o passar do tempo, podendo deixar manchas.

A limpeza de uma madeira tratada torna-se muito mais fácil de fazer com um pano macio, ao invés da madeira sem nenhum tratamento, em que agarra muito mais pó e sujidade.

Indo um pouco mais além, diria mesmo que as instituições mais antigas, bem como as mais recentes (e até as que vão começar), deveriam fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para terem mobiliário e materiais de madeira que respeitassem os pontos acima referidos.

Até o cuidado com a pintura das paredes deveria ser respeitado ao máximo.

Especialmente nos berçários, já que os bebés têm o sistema imunitário menos desenvolvido e são mais frágeis e susceptíveis a problemas respiratórios, entre outros.

 

Artigo relacionado: O perigo escondido das tintas

 

Como poderia eu ficar indiferente, sabendo que nem todos têm conhecimento desta informação?

E é com uma enorme alegria e satisfação, que vejo uma crescente preocupação e empenho de outros fornecedores (e revendedores) de mobiliário e materiais pedagógicos, em garantir uma melhor qualidade do produto final.

Porquê?

Porque, por motivos óbvios, todos temos a beneficiar com esta tomada de consciência. Mas é a nova geração, a geração dos nossos bebés, que mais vai beneficiar.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A cola pode ser nociva para a saúde teu filho?
» O verniz ou o óleo são bons para o teu bebé morder?
» Vantagens dos brinquedos de madeira
» A melhor madeira para os bebés
» Sustentabilidade

A confiança é nutrida com o amor

Depois de nascer, qualquer bebé necessita de sentir que o mundo ao qual acabou de chegar é seguro. Nos primeiros tempos de vida, não necessita mais do que comida, o amor e a confiança dos seus cuidadores.

É desta forma que se vai gerar a autoconfiança tão necessária para enfrentar os desafios a que se propôs, ser quem tem que ser e fazer o que mais gosta.

Crianças emocionalmente saudáveis tornam-se adultos seguros e confiantes.

O L não é excepção, e está a passar por uma fase em que necessita de sentir que tem o amor dos pais e que tem um porto de abrigo à sua espera.

A mudança de escolinha implicou largar um passado de caras conhecidas, para começar tudo de novo e voltar a sentir a confiança de novas pessoas e fazer novos amigos.

Devido a uma formação muito importante que a minha menina foi fazer, confesso que nas últimas semanas senti-me um pouco como um papá Uber, a levá-los cada um para a sua escolinha. Mas quem corre por gosta não se cansa, e é um privilégio poder assistir ao crescimento interior de cada um deles, apoiando-os no que for preciso.

Não foi fácil, claro está. Implica abdicar de muita coisa, mas é algo que se assume fazer quando se está empenhado em ajudar.

A adaptação do L à nova escolinha durou pouco mais de uma semana.

Foi o tempo necessário para o meu bebé habituar-se a novas rotinas, novas pessoas, novos lugares.

Muito tempo?

Pouco tempo?

Confesso que pensei que demorasse menos tempo, mas demorou o tempo que teve que ser. Nem mais nem menos.

Cada criança tem a sua própria personalidade e os seus medos, e por isso não há uma fórmula mágica que funcione para todos.

Paciência e confiar.

Confiar que estamos a fazer o melhor e que é uma nova etapa que os nossos filhos vão ultrapassar. O crescimento é isso mesmo, sair da nossa zona de conforto e enfrentar os nossos medos. Só assim evoluímos e adquirimos novas competências, novos conhecimentos.

 

Artigo relacionado: O Respeito deve estar sempre presente

 

Durante este período fiquei com ele o tempo que foi preciso para que ele se começasse a sentir em casa e a ganhar confiança com as novas pessoas.

A última coisa que não queria que acontecesse era que ele se sentisse abandonado, sem estar adaptado. Com isso vem frustração, raiva, e choro. Muito choro. Parte-me o coração ver outros meninos a chorarem durante vários dias a chamarem pelos pais…

Com este período de adaptação evitei ao máximo que isso acontecesse, e sinto-me bem por saber que estou a dar o meu melhor para que seja o mais fluída possível.

 

amor confiança

 

Confesso que sinto-me um privilegiado por poder dar o meu tempo para que ele se sentisse bem no novo espaço.

 

Artigo relacionado: A importância de ser um pai Presente

 

O bem mais precioso que podemos dar é o nosso tempo.

O L é um menino que entende tudo o que nós dizemos, e aos poucos fomos falando com ele sobre o novo espaço. Foi conhecendo as novas pessoas e fazendo novas amizades.

Mas não é fácil.

Vir de um período de férias com rotinas feitas e entrar numa nova escolinha não é fácil.

Quantos de nós, adultos, ficam esmorecidos no último dia de férias, sabendo que vamos voltar ao trabalho (nem sempre desejado)? Pior ainda quando mudamos de local de trabalho, a pressão aumenta. Agora imaginem isso tudo junto, com medos e inseguranças à mistura, multiplicado por 100 na mente de um bebé.

Desde sempre que o L sabe que é amado e que os pais estarão ao pé dele para o que for preciso.

Sabe que vamos sempre voltar para buscá-lo.

No meio deste regresso à rotina, os educadores e auxiliares têm um papel fundamental ao garantir que a transição seja o menos traumática possível.

A todos vós, educadores e auxiliares, o meu profundo agradecimento por todo o apoio que dão aos bebés e crianças que estão sob a vossa alçada.

Não deve ser fácil garantir que todos fiquem bem. Por vezes dois braços não chegam para acudir o choro de muitos.

É algo que só faz quem realmente gosta, disso tenho a certeza.

Confiar.

Confiar que os nossos bebés ficam bem.

É um crescimento, não só para eles, mas também para nós, pais.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Pequenas conquistas
» A Escola Ideal
» Um homem e um bebé
» Sê Egoísta!
» Fraldas, Babywearing, e outras coisas mais

O pai também amamenta

Não directamente, mas o pai também amamenta.

Fugindo um pouco aos assuntos normais do blog, hoje venho falar de um tema que me é muito relevante: a amamentação.

E o que tem um homem a dizer sobre isto…?

Ontem (dia 7 de Agosto) foi o último dia da Semana Mundial da Amamentação.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que os bebés devem ser amamentados em exclusivo até aos primeiros 6 meses de vida.

E que se deve manter (pelo menos) até aos dois anos, período durante o qual o bebé recebe alimentação complementar.

Como casal, optámos por cumprir estas recomendações, e o L amamentar até deixar de fazer sentido para ele.

Digo como casal, porque, apesar de a mãe ser a mais sacrificada neste sentido, o pai tem um papel preponderante ao garantir que as necessidades da mãe e do bebé são garantidas.

Tem que haver uma boa sintonia entre o casal, cooperação e entendimento para que seja mais fácil alcançarmos o bem-comum, que é o de proporcionar o melhor para o nosso filho.

Se optássemos por lhe dar biberão, seria mais fácil dividir entre nós a tarefa de alimentá-lo. Especialmente durante a noite.

Para “aliviar” um pouco este processo, optámos por acoplar um berço à nossa cama (do lado da minha mulher), fazendo algumas alterações e retirando a grade lateral.

Desta forma, sempre que o L quisesse mamar, não havia necessidade de ninguém se levantar, reduzindo também o seu stress causado pelo choro.

Os bebés sabem muito bem o que querem, e o L não é excepção.

Abençoados bebés que têm essa sorte, e que têm pais (sobretudo a mãe) predispostos a garantir que essa premissa é cumprida.

Mas não é fácil, sobretudo para mãe.

A minha mulher é uma heroína, e sabes porquê?

O L foi para o berçário perto dos 6 meses, simplesmente porque a licença de maternidade chegou ao fim e não tínhamos com quem o deixar (esperemos que a licença de maternidade e parentalidade seja alargada…).

O berçário onde o deixámos fica a cerca de 1km do trabalho da minha mulher.

Fomos felizes neste aspecto, o que lhe permitiu usufruir do horário reduzido para amamentar sempre que o L precisasse.

Apesar de ser um troço pequeno entre a casa e o trabalho, o carro ficava estacionado na zona do berçário por ser mais fácil estacionar do que nas imediações do seu trabalho.

Parece estranho, mas causava menos transtorno ir a pé do que ir de carro (por causa do trânsito e não só).

Desta forma, devido às viagens a pé entre o berçário e o trabalho, a minha super-mulher fez 6 km diários, todas as semanas, durante 3 meses, só para amamentar o nosso filho.

No final da semana tinha feito 30km!

Quer fizesse chuva ou sol, lá estava ela.

amamenta

E não só é desgastante o facto de andar tanto a pé durante uma semana, como não nos podemos esquecer que o fez para amamentar, o que por si só já é desgastante.

Escusado será dizer que recuperou rapidamente a forma que tinha antes de engravidar!

Na brincadeira, ainda falámos que devíamos ter comprar uma trotinete!

No meio disto tudo, cabe ao pai assegurar que todo o processo decorre dentro da maior naturalidade possível.

Como? Retirando carga desnecessária à mãe, enquanto ela abdica de tudo o resto para realizar um puro acto de amor.

O pai também amamenta.

Não directamente, por motivos óbvios.

Mas ajudando de outra forma, estando ao lado da mãe nos momentos bons e nos momentos menos bons.

Sofrendo com ela se o bebé demora muito tempo a mamar, ou rejubilando de alegria se demora 10 minutos.

Dando-lhe o comer como se fosse um bebé, enquanto o verdadeiro bebé mama.

Como é possível não tratar das tarefas domésticos, enquanto um ser humano está a amamentar um bebé?

A vida é muito mais fácil quando ambos tomam decisões em conjunto e caminham na mesma direcção, embora com projectos e visões diferentes, mas complementares.

Estes momentos a dois entre a mãe e o filho são preciosos e únicos, mas eu e o meu bebé também temos os nossos momentos a dois.

Sim, porque o pai também os tem, e também precisa deles para criar um vínculo afectivo com o seu bebé.

 

Artigo relacionado: Um homem e um bebé

 

As vezes em que ele só queria o meu colo para se reconfortar de um choro compulsivo, ou as vezes em que adormeceu agarrado ao meu dedo, são alguns dos muitos momentos que não esquecerei.

O meu profundo agradecimento a todas as super-mulheres que amamentam os seus filhos, e respectivos super-homens que asseguram as suas necessidades e os seus bem-estares.

 

E, claro, em especial à minha menina.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Sê Egoísta!
» Fraldas, Babywearing, e outras coisas mais
» Férias Grandes
» A importância de ser um pai Presente

O Respeito deve estar sempre presente

A superação dos medos e as primeiras conquistas não são fáceis. Implica respeito pelo desconhecido, quase como se fosse um salto de fé nesta transição.

Muitas vezes somos “empurrados” pela vida para enfrentar os nossos medos, só assim conseguimos evoluir.

Sair da nossa zona de conforto não é fácil.

Somos um animal de hábitos, e tornamo-nos avessos a tudo o que nos faça sair da nossa rotina. É quase considerado como se fosse uma ameaça à nossa sobrevivência, e como tal é colocada de parte.

Até um dia em que não pode ser mais ignorada.

Não é fácil para nós, adultos, e muito menos deverá ser para as crianças.

Medos inexplicáveis nesta vida, poderão fazer parte de traumas vividos num passado distante.

Ou poderão simplesmente serem “manias” infundadas.

O L não é excepção, e, tal como todas as outras crianças, tem os seus medos, que vai vencendo a pouco e pouco. As suas pequenas conquistas vão-lhe dando mais confiança e autonomia para que ele se possa tornar na pessoa que precisa ser.

A sua última conquista foi ultrapassar o medo de andar de elevador.

Muitos de nós, adultos, também temos esse medo.

 

Artigo relacionado: Pequenas conquistas

 

O que é perfeitamente normal, pois nem todos gostamos de estar fechados numa caixa, mesmo que tenha algum espaço.

Breves segundos podem tornar-se longas horas, que nunca mais teimam em passar.

Sempre respeitámos a sua decisão de querer subir e descer pelas escadas, embora lhe tenhamos colocado sempre duas opções: ou pelas escadas ou pelo elevador. Assim como quem não quer a coisa, podia ser que um dia ele optasse pelo elevador…

Nunca lhe impusemos nada.

Aliás, como em tudo na sua fase de crescimento.

Claro que custa subir vários andares pela escada, quando temos o elevador mesmo ao nosso lado à nossa espera…

Certo dia até dissemos que os pais iriam de elevador e ele iria de escadas sozinho, para ver qual a sua reacção. Não se fez rogado e não é que subiu os vários andares de escadas sozinho?! Enquanto a mãe foi no elevador, eu subi atrás dele, às escondidas, só para ver se ele realmente subia tudo sozinho, ou se iria parar a meio. E de facto subiu, inclusive a cantarolar!..

Todos os dias lhe perguntávamos se queria ir de escadas ou de elevador.

Todos os dias dizia que preferia as escadas.

Mas houve um certo dia, em que, agarrado ao seu peluche preferido, disse que queria ir de elevador!

Até antes de lhe termos perguntado alguma coisa.

Qual o motivo? Não sabemos, mas percebemos que estava preparado para assumir o novo desafio.

Claro, vai sempre ao colo de um de nós.

E se antigamente nem sequer queria carregar no botão para chamar o elevador, agora até interage e faz questão de carregar nos botões.

E os pais agradecem.

O que me leva a outro ponto, que é o respeito pelo seu ritmo de desenvolvimento.

Na sociedade actual, vivemos um período de consumismo frenético.

Temos o mundo na ponta dos dedos, onde podemos consultar no telemóvel qualquer tipo de informação, a qualquer hora.

Habituados que estamos a querer tudo no imediato, transmitimos esse estado de ser para os nossos filhos, inconscientemente ou não.

Gritar no trânsito para os carros que não andam, despachar rápido de manhã para não chegar tarde, tomar banho rápido para jantar rápido, etc…

Desde a mais tenra idade que os nossos filhos observam a nossa forma estar perante a vida. Todos os nossos movimentos são escrutinados ao pormenor, para que depois nos possam imitar. Faz parte do seu crescimento.

Que respeito estamos a mostrar pelo próximo com estas atitudes?

Que respeito estamos a mostrar pelo nosso filho, ao não lhe permitirmos fazer as coisas no seu próprio ritmo?

Certo dia estávamos com o L em casa de um familiar, ainda mal ele sabia gatinhar.

Uns primos foram-nos visitar, e também levaram o seu filhote, mais ou menos com a mesma idade. Mas, em comparação com o L, o rapaz já gatinhava que se fartava. Parecia um soldado na trincheira a fugir do inimigo, com o turbo ligado, se é que me faço entender!

Claro, houve logo motivos para comparações, sendo o gatinhar o principal deles.

O pai do rapaz, ao ver que o L quase nem gatinhava, teceu um comentário, a dizer que bastaria uma ajuda da nossa parte (para ser mais correcto, o termo utilizado foi “empurrão”) para o forçar a gatinhar.

 

respeito

 

Ou seja, apressar o desenvolvimento natural do L.

Impor a nossa vontade e o nosso ritmo às suas necessidades.

A minha menina disse-lhe simplesmente que também não se força uma borboleta a sair do casulo. Sai quando estiver pronta.

Hoje o L corre que se farta e aventura-se cada vez mais a fazer coisas novas.

Sabe que tem pais que respeitam as suas escolhas e a sua individualidade, e isso nota-se na sua forma de estar perante a vida.

Maria Montessori dizia que “as crianças são seres humanos a quem se deve o devido respeito, superior a nós pela razão da sua inocência e pelas grandes possibilidades do seu futuro”.

O respeito e confiança no desenvolvimento e nas capacidades do nosso filho mostraram-se cruciais para que o L seja um menino confiante, independente, e cada vez mais audaz.

É maravilhoso observar o seu crescimento.

Qual o teu ritmo?

Qual o ritmo que exiges dos outros?

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A importância de ser um pai Presente
» Levanta-te e luta!
» Um homem e um bebé
» O caminho faz-se… caminhando

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian

Categorias de Produtos

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian