Carrinho (0,00) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

Geração Sem Fios

Assiste-se, cada vez mais, a uma nova geração dependente das novas tecnologias: televisão, tablet, telemóvel, etc. São o que denomino de geração sem fios.

São bebés que começam a ficar dependentes do mundo virtual numa fase muito precoce da sua vida. Pedem mais e cada vez mais, e desligam-se do meio físico.

Desde muito cedo que nos veem a mexer no telemóvel, e claro, também querem mexer. O meu filho não é excepção.

Já quer fazer como os adultos, e passar o dedo pelo ecrã.

Tentamos ao máximo não mostrar-lhe coisas no telemóvel, porque sabemos que vai ficar viciado.

Temos duas televisões cá em casa, mas raramente são ligadas desde que ele nasceu (nem sabemos se ainda funcionam!).

Costumamos dizer que ele passou a ser a nossa televisão.

Muitos pais usam também os telemóveis, a televisão e os tablets para entreter um pouco os filhos.

Para poderem ter algum tempo para eles próprios, para tratar da casa, para não ouvirem as suas gritarias, etc.

E está tudo bem, se for apenas durante um tempo controlado, e soubermos o que estão a ver. Podemos até ir falando com eles sobre o que estão a ver, e para que possam também desenvolver um espírito crítico e analítico.

Não estou com isto a criticar os pais que agem de uma ou outra forma. Não existe uma única forma de educar. Cada família tem a sua dinâmica, e actua como achar mais correcto. O que resulta para uns, pode não resultar para outros.

Antes de criticarmos as atitudes dos outros, é bom tentarmos perceber a razão de agirem dessa forma.

Confesso que a nós já nos deu jeito mostrar vídeos ao nosso filho durante algum tempo, quando ele trouxe para casa um vírus da creche que… nos deu para ter vómitos e diarreia! Ao mesmo tempo! (desculpem a descrição!). Ficamos tão abalados que não conseguimos andar pela casa fora a correr atrás dele.

Naquela altura, a única solução imediata foi mostrar-lhe alguns vídeos.

Claro que os telemóveis dão jeito.

Vou contar-te outra história pessoal e verídica.

Quando a minha mulher engravidou, fomos acompanhados por duas doulas nossas amigas: uma presencialmente, e outra que estava no Brasil.

Que privilégio!

Depois de entrar em trabalho de parto, a minha mulher não podia usar o telemóvel. Estando sempre ao lado dela o tempo todo, o único contacto com o exterior era eu. E um pouco às escondidas, lá ia eu mandando mensagens às nossas doulas a contar o que se estava a passar, para que fossemos aconselhados de outra forma.

Afinal, somos pais de primeira viagem.

Eu próprio, na altura do parto do meu filho, não o perdi de vista um segundo que fosse, assim que ele entrou fisicamente neste mundo. Cortei-lhe o cordão umbilical e depois acompanhei-o à zona onde foram fazer os testes rápidos.

Claro que atrasámos o corte ao máximo para tentar chegar aos 3 minutos (eu a argumentar com a parteira e a contar os segundos no relógio da sala ao mesmo tempo!), para que ele ainda pudesse receber os últimos restos de sangue.

Logo de seguida, passaram-no para o meu colo, sem eu estar (psicológica e emocionalmente) preparado para o segurar nos meus braços.

 

Perguntei-me: “E agora??”

 

Mas depois o instinto paternal veio ao de cima e sentei-me com ele ao colo, ao lado da mãe. Ainda pedi à parteira para me deixar ver a placenta porque queria tirar uma foto, para ficar como recordação e para mostrar às nossas doulas.

Claro que depois ouvi um “raspanete” da parteira, que devia estar a aproveitar o momento e deixar o telemóvel em paz… mas era para uma boa causa.

Isto tudo para dizer que as novas tecnologias fazem falta, mas há que ter bom senso e saber quando as podemos usar.

Esta nova geração, que nasceu depois das redes sem fios aparecerem, é a primeira que está 24h por dia em contacto permanente com as radiações emitidas por estas redes.

 

Geração Sem Fios

 

Nesta era das novas tecnologias, é importante perceber que ainda não existem estudos com resultados fidedignos, que comprovem qual o impacto destas radiações no nosso cérebro.

Este tipo de radiação pode, inclusive, estar associado à perda de memória, diabetes, depressão, insónia, cansaço, etc.

 

Relacionado: WiFi Radiation: An Invisible Threat to Your Health?

 

Todos nós (ou quase todos) temos redes sem fios em casa, porque dá jeito e porque vem incluído nos pacotes das operadoras de televisão.

Antes do nosso filho nascer, ainda tentámos comprar um aparelho que desse para desligar as redes sem fios cá de casa, mas chegámos à conclusão que, mesmo que conseguíssemos fazer isso, existem as redes dos vizinhos…

Há uns anos atrás, surgiu uma notícia que os adolescentes estavam a ficar com polegares “mutantes”, por jogarem muito tempo no telemóvel e nas consolas. Ou seja, de tanto usarem os polegares, estavam a desenvolver a sua destreza e os seus músculos de uma forma superior em relação aos restantes dedos (daí o nome “mutantes”).

Começam também a surgir dores no pescoço por estarmos sempre de cabeça baixa a olhar para o telemóvel.

Como pais, temos que dar o exemplo.

Se não deixamos os nossos filhos estar com o telemóvel, também não o podemos fazer quando estivermos com eles.

É necessário valorizar os momentos juntos e as refeições, que são um símbolo da família reunida e onde podemos falar de vários assuntos.

 

Artigo relacionado: A importância de ser um pai Presente

 

Um dos grandes mentores de desenvolvimento pessoal (creio que Jim Rohn), certa vez referiu que desligava (repito, desligava) o telemóvel às refeições. O motivo? A família é muito mais importante que um telefonema. Mesmo que fosse o presidente dos Estados Unidos da América, ele não iria atender.

E já pensaste porque é que os grandes líderes mundiais das tecnologias têm grandes restrições no que diz respeito à sua utilização pelos seus filhos?

Steve Jobs (co-fundador da Apple), referiu numa entrevista que limita a quantidade de tecnologia que os seus filhos utilizam em casa.

 

Relacionado: Steve Jobs Was a Low-Tech Parent

 

Nem os deixava, sequer, utilizar o iPad. Dizia que era muito perigoso e viciante para ele.

Ao jantar, gostava de juntar a família toda na mesa e falavam de história, livros, coisas do dia-a-dia. Ninguém tocava num computador ou num iPad. E mais, ninguém da sua família sabia o que era o iPad antes de ter sido publicamente lançado.

 

Relacionado: Here’s why Steve Jobs never let his kids use an iPad

 

Bill Gates (fundador principal da Microsoft), também restringe o tempo que os seus filhos estão em contacto com as novas tecnologias. Por exemplo, só lhes comprou telemóveis depois dos 14 anos, e definiu uma hora do dia a partir da qual não poderiam ter acesso aos mesmos, nem aos computadores.

 

Relacionado: Bill Gates limits his children’s use of technology

 

A maior parte de nós deixa os seus filhos utilizarem as tecnologias o mais cedo possível, sem restrições. Porque é engraçado vê-los a mexer, e assim ficam sossegados.

Mas, e as consequências, a longo prazo…?

E no entanto, estes senhores parecem saber algo mais, porque fazem precisamente o contrário.

Dá que pensar, não?…

Já desligaste o telemóvel hoje, e ligaste-te ao teu filho?

Deixa o teu comentário.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Férias Grandes
» O que estamos a fazer às nossas crianças?
» Sê Egoísta!
» Um homem e um bebé

O que estamos a fazer às nossas crianças?

Quando passo no parque infantil ao pé da minha casa, muitas vezes reparo que está vazio.

 

O que estamos a fazer às nossas crianças?

 

Com o aparecimento do bom tempo, seria normal que se vissem mais crianças a brincar na rua.

Embora possa não haver uma relação directa, o que é certo é que, hoje em dia, muitas crianças preferem ficar em casa a olhar para um ecrã, do que brincar fora das quatro paredes.

As crianças aprendem muito por imitação, e os seus primeiros ídolos e professores são os seus pais. E, infelizmente, o mais conveniente para os pais é que os filhos fiquem no ambiente protegido de casa.

E de preferência sossegados. E isso só é possivel se estiverem a brincar com jogos de tabuleiro com os pais, por exemplo.

Ou como os pais muitas vezes andam ocupados e não têm tempo, a brincarem sozinhos.

E qual é a brincadeira, por excelência, que permite que as crianças fiquem quietas no mesmo lugar?

Jogos de computador, telemóveis ou televisão: tudo o que implique olhar para um ecrã!

 

Artigo relacionado: Geração sem fios

 

É urgente quebrar este ciclo e levar as crianças para a rua.

Brincarem umas com as outras, sujarem-se, estarem em contacto com a natureza.

 

Só desta forma a criança pode desenvolver:

  • as suas competências sociais
  • as suas competências de liderança
  • o saber estar
  • a imaginação
  • a criatividade

Infelizmente, existe um termo (muito recente) para designar esta desconexão com a natureza: Transtorno de Deficit de Natureza (criado por Richard Louv).

É muito importante as crianças brincarem livremente, sem regras nem estruturas. Deixar a criança ser criança.

O ser humano precisa do contacto com a natureza para se encontrar, para estar bem consigo próprio. Estamos cada vez mais a criar ambientes preparados em casa para que as crianças usem cada vez menos todos os seus sentidos.

 

Ao olharem para um ecrã, estão apenas a usar a visão e a audição.

As crianças sentem-se menos vivas porque o seu cérebro está a interpretar e a viver a realidade do que estão a ver no ecrã, ao invés de interpretar a sua própria realidade.
O facto de nos sentirmos bem desta forma, é porque estamos num “ambiente seguro”, a observar o que se passa por detrás do ecrã. É uma “partida” que o nosso cérebro nos prega, mas que é necessário combater.

Se temos tendência a ficar mais felizes e mais mentalmente saudáveis quando estamos na natureza, por alguma razão será.

Ainda não existem muitos estudos sobre o autismo, mas alguns pais sentem uma mudança quando levam mais vezes o seu filho autista para a natureza.
Professores também revelam mudanças de comportamento em relação aos seus alunos “problemáticos” quando saem para a natureza: não só estes alunos são bem comportados, como se tornam líderes.

O que estamos a fazer às nossas crianças, ao obrigá-las a estarem sentadas o dia todo em cadeiras nas salas de aula?

A fazerem exames atrás de exames, sempre com a ideia de que só assim serão melhores seres humanos?

 

Artigo relacionado: A Escola Ideal

 

Desta forma, surgem os tais medicamentos (como a Ritalina) para ajudarem a “acalmar” as crianças mais irrequietas. São convenientes para os adultos, mas prejudiciais para a saúde das crianças e com efeitos secundários (e nada benéficos) a longo prazo.

Já pensaste que poderá existir uma relação com o facto de estarmos a retirar às crianças o contacto com a natureza…?
Já para não falar da vitamina D, que tanto nos faz falta, e que estamos a deixar de consumir de uma forma natural.

E a obesidade infantil, que está a aumentar de uma forma assustadora, e que está relacionada com o sedentarismo?

Richard Louv refere mesmo que deixar as crianças sentadas o dia todo é como se fosse o novo fumar.

Como pais, podemos e devemos dar o exemplo, ao retirar os nossos filhos de casa e ir com eles passear pela natureza. Todos ficam a ganhar.
E nem é preciso estar bom tempo. As brincadeiras também acontecem quando está frio ou quando chove, desde que sejam tomadas as devidas precauções com o calçado e o vestuário.

Já tomaste a tua dose diária de ar puro…?

Deixa o teu comentário.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Um homem e um bebé
» O Regresso À Rotina
» A importância de ser um pai Presente
» Férias Grandes

Vantagens dos brinquedos de madeira

Nunca é demais relembrar as vantagens dos brinquedos de madeira em relação aos de plástico.

Sabias que os de madeira podem durar várias gerações??

NOTA: Para simplificar, vou utilizar sempre o termo “brinquedo”, embora não seja a mesma coisa que material pedagógico.

 

Artigo relacionado: Tipos de Brinquedos

 

Quando entras numa loja que vende brinquedos de plástico, não te sentiste já um pouco assoberbado com a quantidade de cores brilhantes  e ofuscantes que eles têm?

Já reparaste bem numa festa de aniversário, que muitos dos brinquedos que são oferecidos (ou com os quais as crianças brincam), são feitos de plástico, têm cores fortes e produzem sons muito altos?

A criança, na maior parte das vezes, é um mero espectador, e o brinquedo faz tudo sozinho.

Sabemos bem que a intenção é chamar a atenção das crianças o melhor possível: quanto mais cores e mais barulho fizer, melhor.

Mas será que é mesmo assim?…

A maior parte dos jovens pais de hoje em dia, pode não conhecer outra realidade que não seja o tradicional brinquedo de plástico.

Numa sociedade orientada para o consumismo rápido e sem qualidade, podem pensar que os brinquedos de madeira são coisa do antigamente.

Mas veem-se cada vez mais brinquedos de madeira. Poderá até ser um pouco mais difícil encontrá-los, mas não quer dizer que sejam necessariamente mais caros que os de plástico.

O custo tem que ser avaliado pela duração do próprio brinquedo.

Será que compensa gastar menos dinheiro por algo de plástico e que me dure menos tempo, do que gastar um pouco mais em algo feito de madeira?

E que, desta forma, seja mais sólido, e que tenha sido construído para durar muito mais tempo?

 

Repara no exemplo bem simples deste brinquedo educativo: os Discos Interligados.

discos interligados interlocking discs
Discos interligados (feito em plástico/borracha/silicone na imagem de cima, feito em madeira maciça Faia na imagem de baixo)

A versão de plástico/borracha/silicone tem cores muito fortes e brilhantes, diria até, fluorescentes,

A versão de madeira apresenta apenas a cor natural da madeira.

Desta forma, esta última consegue transmitir uma sensação da calma, harmonia e bem-estar, algo essencial para o bebé se sentir bem.

O brinquedo torna-se então um meio para o bebé se expressar nas mais variadas formas, e não no centro das atenções, como na versão de plástico (ou de borracha ou de silicone).

Penso que, só de olhar, é imediata a percepção das vantagens dos brinquedos de madeira.

 

Este brinquedo, em madeira maciça Faia, foi feito artesanalmente por mim.

Foi usado exaustivamente (levado à boca e mordido vezes sem conta) pela única pessoa em quem eu confio e que também faz parte do meu staff pessoal.

É também o responsável pelo exigente controlo de qualidade: o meu filho!

 

Existem também outros factores a ter em conta.

Tradicionalmente, estas são as principais vantagens dos brinquedos de madeira:

  • São compostos por matéria-prima nobre, ecológica

A madeira é uma matéria-prima nobre, natural, ecológica e livre de toxinas.

Assim, não polui o meio-ambiente como o plástico, que é um produto derivado do petróleo.

 

  • Proporcionam um toque suave e caloroso que as crianças adoram

Sendo um material natural, a madeira proporciona um toque suave (se tiver um bom acabamento) e torna-se visualmente atraente, por causa da sua própria textura e cor.

 

  • Não são descartáveis e duram muito mais tempo

Ao ser construído por um artesão/marceneiro, e a pensar na criança que o vai usar, o brinquedo de madeira é mais robusto e resistente a quedas, pisadelas, etc.,

É muito mais difícil alguma peça soltar-se ou partir-se em pedaços pequenos se for atirado ao chão.

Cá em casa até é ao contrário, já existem amolgadelas no chão de madeira!…

Por esta razão, pode ser passado entre várias gerações (se for bem estimado).

Já pensaste na alegria de um avô ou pai entregar um brinquedo de madeira ao bebé, que foi utilizado por ele?

A madeira utilizada também terá que ser a mais indicada para o brinquedo em si.

 

Artigo relacionado: A melhor madeira para os bebés

 

  • Podem ser pintados com uma cor harmoniosa, ou então deixados na cor natural da madeira

Mesmo quando a madeira não é pintada, torna-se apelativa ao toque e visualmente atraente, como já foi referido.

No entanto, há que ter cuidado com o tipo de acabamento utilizado (tintas, vernizes e óleos). Deverá ser sempre atóxico e livre de materiais pesados, que são perigosos para a nossa saúde.

 

  • Produzem sons naturais e apelam à imaginação

Como não possui nenhuma tecla luminosa – que ao pressionar dá origem a um som altíssimo e irritante – apela mais à imaginação e à concentração.

Desta forma, incentiva a que seja a criança a tomar a iniciativa de brincar, ao invés de carregar num botão e ficar a ver o brinquedo de plástico a… brincar sozinho!

Quanto mais simples, mais promove a criatividade.

 

Um brinquedo deverá ser usado pela criança para estimulá-la e puxar pela sua imaginação. Os brinquedos de plástico são muito conhecidos por terem cores berrantes, luzes e sons estridentes, com botões que fazem tudo sozinhos.

Nunca é demais referir que um cuidado extra a ter é no próprio acabamento do brinquedo. Alguns brinquedos podem ter um óptimo aspecto, mas pode ter havido descuramento na tinta utilizada e pode ter alguma toxicidade, especialmente a nível de metais pesados.

É necessário garantir que é utilizada tinta não-tóxica, amiga da criança. Ainda que seja um pouco mais caro, assegura-te que é de boa qualidade e não tóxico.

A tua criança agradece e o meio-ambiente também..

 

Artigo relacionado: Segurança nos Brinquedos – EN 71 e COVs

 

Agora, não podemos também cair em extremos.

Por vezes há sempre um ou outro brinquedo de plástico que é útil nas brincadeiras.

Cá em casa também existem alguns brinquedos de plástico (muito poucos, diria eu… acho que só 1!).

Foram ofertas de familiares, embora já lhes tenhamos feito uma “lavagem cerebral” acerca deste assunto – e outros -, mesmo antes do nosso filho nascer.

Mas tentamos sempre que haja o mínimo dos mínimos, porque… plástico é plástico!

 

Por favor deixa o teu comentário se sentires que tens algo a dizer, gostaria de saber a tua opinião.

E partilha, se fizer sentido para ti dar a conhecer este assunto a outros pais (avós, tios, etc.)  interessados.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A minha Busy Board
» Marcador de Livros
» A Arte de Bem Serrar
» O que estamos a fazer às nossas crianças?

A importância de ser um pai Presente

Todos os artigos que escrevo são importantes, mas este tem uma particularidade especial.

Aprendi, por experiência própria, que é de uma enorme importância ser um pai presente, para ti e para o teu filho.

Vou explicar o porquê, de acordo com o meu ponto de vista.

 

Artigo relacionado: Um homem e um bebé

 

Todos ouvimos dizer que o nascimento de um filho vem alterar a nossa vida: as rotinas, os nossos objectivos de vida, reforçar os nossos valores, e sobretudo questionar (em tudo) o mundo que nos rodeia.

Acima de tudo isto, vem ensinar-nos a amar.

Incondicionalmente.

 

Biológicamente, a ligação do bebé é muito mais forte com a mãe do que com o pai.

É a mãe que gera o filho e que o suporta e carrega (literalmente) durante 9 meses.

Muito provavelmente a voz da mãe é a primeira que o bebé vai ouvir e a conexão fortalece-se ainda mais depois do seu nascimento.

Se o bebé for amamentado, os laços com o lado materno unem-se cada vez mais a cada dia que passa.

É um momento a dois, tal como o são todos os outros momentos: o mudar a fralda, dar banho, etc.

E qual o papel do pai?

O pai pode “ajudar” nalguma situação?

Pode “ajudar” a mudar a fralda?

Pode “ajudar” a dar banho?

Pode “ajudar” nas tarefas domésticas?

Pode “ajudar” e ficar com o bebé alguns minutos para que a mãe possa descansar um pouco?

Nada disso!

O pai não pode ajudar, o pai deve partilhar a experiência da maternidade com a mãe, e aproveitar todos os momentos com o seu bebé para fortalecer a união e o afecto entre ambos.

Tem que aprender a mudar a fralda?

A limpar o cócó?

A dar banho?

A adormecê-lo?

Claro que sim, tal como a mãe.

É uma aprendizagem conjunta.

E não se pense que ter um filho é fácil, porque não é.

 

Artigo relacionado: Fraldas, Babywearing, e outras coisas mais

 

Tem que haver uma forte uniãocompreensão e harmonia entre o casal, já que se vai perder muita coisa, mas ganha-se outra ainda maior: o amor incondicional de outro ser!

O melhor presente que podemos oferecer é estarmos presentes quando a nossa atenção é solicitada.

Desde o nascimento do meu filho que decidi estar presente sempre que ele necessitasse de mim.

Não apenas estar fisicamente, mas estar eu todo, de corpo e alma. Escutá-lo. Dar-lhe a mão quando pedisse.

Simplesmente estar.

Aprendi a mudar as fraldas e depois a lavá-las (sim, o nosso bebé só usa fraldas reutilizáveis, poupa-se muito dinheiro e o meio ambiente agradece).

E a aproveitar a muda da fralda para fortalecermos laços.

Fazer as coisas devagar (quando há tempo para isso) e com confiança, e olharmos olhos nos olhos.

O bebé tem que se sentir seguro com o pai tal como se sente com a mãe. Tem que saber que existe outro cuidador em casa com o qual ele pode contar.

Outro porto de abrigo.

 

A importância de ser um pai Presente

 

Aprendi a dar-lhe banho e a ficar com ele e a adormecê-lo (ao colo ou na mochila de babywearing), principalmente quando a mãe necessita de um tempo para cuidar de si.

Ainda me lembro da primeira vez que ficámos os dois sozinhos em casa!

Ele estava a dormir e acordou cheio de fome.

E como estava a amamentar, eu não conseguia acudi-lo da forma que ele necessitava.

E foi nessa altura que percebi realmente que ele tinha uns bons pulmões!

Eu e penso que o prédio todo 🙂

Mas são estes momentos únicos que devemos e podemos aproveitar, porque o ontem já passou e não volta, e o que interessa é o presente, o agora.

E os nossos filhos sentem se estamos apenas fisicamente presentes.

 

Já reparaste nos vários significados que a palavra presente tem?

Não deve ser por acaso, porque o simples facto de estarmos presentes (de corpo e alma) no presente (no aqui e agora), é um presente (dádiva) em si!

Lembro-me também de uma das noites difíceis que ele teve (a maior parte delas por causa dos dentinhos a nascer), ainda não sabia falar (mas já comunicava por gestos, devido ao programa BabySigns que implementámos em casa).

 

Relacionado: Eu Sou Fátima Mendes

 

Acordou a chorar e rapidamente a mãe pegou-o ao colo.

Mas o choro não parou, e eis que ele estende os braços para mim, a pedir o meu colo.

Incrédulo, perguntei se era mesmo isso que ele queria, porque normalmente a mãe é que resolve as dores todas, é o porto de abrigo, enquanto o pai é mais associado para a brincadeira.

Mas não, era mesmo a mim que ele queria.

Peguei-o ao colo, e, num momento quase instantâneo, deixou de chorar.

Eu, pai, desta vez tinha sido o porto de abrigo do meu filho.

Quando fomos à consulta de pediatria, e falámos neste episódio à pediatra, a resposta dela foi que “é perfeitamente normal quando o pai é presente”.

E foi aí que se de o “click”!

Sem ter percebido, eu fui (e sou) um pai presente.

Quão maravilhoso pode isso ser?

E ainda hoje ele faz questão de adormecer de mão dada comigo.

 

E tu, tens estado presente no presente do teu filho?

Deixa o teu comentário, gostaria de saber a tua opinião.

 

Obrigado pela tua presença.

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A Escola Ideal
» A minha Busy Board
» Sê Egoísta!

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian

Categorias de Produtos

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian