Carrinho (0,00 ) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

Não interessa o que fazes, mas como fazes

não interessa o que fazes

“Não interessa o que fazes, mas como fazes”.

Não sou o autor desta frase, mas identifico-me muito com ela.

Por outras palavras, não interessa o fim propriamente dito, mas sim o caminho percorrido até chegar lá.

No meu caso, todo o carinho, todo o amor, toda a experiência que tenho são colocados em prática quando faço uma peça em madeira.

Desde o momento da compra da madeira no seu estado bruto, até à fase final do acabamento, em que é necessário respeitar o meio-ambiente e a saúde das nossas crianças.

 

Artigo relacionado: Porque sou um amador

 

Seja para o meu filho, seja para a casa, seja para outra pessoa (que posso ou não conhecer pessoalmente), não existe distinção.

A qualidade final do trabalho é a mesma.

Não estou só focado no resultado final, como em todo o processo de execução.

Existe qualquer coisa de mágico no processo de ir à serração comprar a madeira no seu estado bruto, e contemplar a sua transformação, à medida que vou trabalhando nela.

Grandes riquezas emergem à medida que se vai aplainando a madeira… a sua textura começa a ganhar vida, qual D. Sebastião que reaparece no meio do nevoeiro… cheiros harmoniosos pairam no ar…

Visualizo a peça final, já terminada, e as minhas mãos encarregam-se de transformar a minha visão em realidade.

Se já existe na minha mente, é porque é real e exequível.

O trabalhar com ferramentas manuais é um factor predominante na minha forma de trabalhar, é onde me sinto mais à vontade.

 

Artigo relacionado: Como trabalho a madeira

 

E, para mim, não é só o produto final tem que corresponder ao rigor e empenho colocados. O tipo de acabamento utilizado tem que respeitar o meio-ambiente e as normas de segurança em vigor.

Não basta apenas garantir que as superfícies fiquem bem lisas e suaves ao toque, com as arestas arredondadas, para não ferir as mãos.

Sabes, seria muito fácil não me importar com esta parte da finalização.

Mas não conseguiria ficar bem comigo próprio, sabendo que existem dois caminhos a seguir, e que teria optado pela via menos ética.

A via mais fácil e mais rápida nem sempre é a melhor.

Na minha área de actividade, confesso que, por exemplo, seria muito fácil utilizar um óleo, verniz ou tinta que não respeitasse o meio-ambiente e a Norma Europeia de Segurança de Brinquedos EN 71-3.

E argumentar o contrário.

 

Não interessa o que fazes

 

É que não é muito fácil explicar os cuidados necessários na escolha de um acabamento certificado.

 

Artigo relacionado: Segurança nos Brinquedos – EN 71 e COVs

 

A EN 71, é a norma que define os requisitos de segurança para todos os brinquedos vendidos na União Europeia.

É dividida em 13 partes, sendo que a parte 3 é a que define a especificação para a migração de certos elementos.

O que quer isto dizer?

Existem elementos que estão presentes em muitos produtos e que são tóxicos, se os valores excederem os permitidos por lei.

Elementos tais como níquel, crómio, cádmio, arsénico, cobre, chumbo, alumínio, mercúrio, etc, são apenas alguns que se podem encontrar em brinquedos, por exemplo.

A EN 71-3 regulamenta e controla qual a quantidade máxima que pode existir em cada elemento, e que possa apresentar risco de toxicidade para as crianças.

Não basta apenas que tenha o rótulo de “ecológico” ou “amigo do ambiente”.

É algo que parece banal, à primeira vista, mas que convém analisar pormenorizadamente para que as suas vantagens fiquem bem claras.

 

O cuidado com os acabamentos utilizados é muito importante, porque estamos a zelar:

  • Pela saúde em geral, e principalmente pela saúde dos bebés e crianças;
  • Pelo respeito com o meio-ambiente;
  • Pela conservação da madeira.

 

A madeira pode resistir durante muito tempo, sem ser necessário nenhum tipo de acabamento.

Mas dura muito mais se for protegida.

E, no caso dos mordedores de madeira para bebés, por exemplo, é importante também por causa da saliva dos bebés, que por vezes pode ser um pouco ácida.

A madeira, em termos genéricos, tem o que se chama “pêlo”, que não são mais do que as fibras da madeira. Diz-se que a madeira tem o pêlo levantado quando existe o eriçar das pequenas fibras da madeira que se encontram à superfície.

Isto acontece especialmente no contacto com água ou com outro tipo de líquidos.

Líquidos mais difíceis de limpar que a água (mais gordurosos, por exemplo), podem inclusive danificar a madeira não tratada com o passar do tempo, podendo deixar manchas.

A limpeza de uma madeira tratada torna-se muito mais fácil de fazer com um pano macio, ao invés da madeira sem nenhum tratamento, em que agarra muito mais pó e sujidade.

Indo um pouco mais além, diria mesmo que as instituições mais antigas, bem como as mais recentes (e até as que vão começar), deveriam fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para terem mobiliário e materiais de madeira que respeitassem os pontos acima referidos.

Até o cuidado com a pintura das paredes deveria ser respeitado ao máximo.

Especialmente nos berçários, já que os bebés têm o sistema imunitário menos desenvolvido e são mais frágeis e susceptíveis a problemas respiratórios, entre outros.

 

Artigo relacionado: O perigo escondido das tintas

 

Como poderia eu ficar indiferente, sabendo que nem todos têm conhecimento desta informação?

E é com uma enorme alegria e satisfação, que vejo uma crescente preocupação e empenho de outros fornecedores (e revendedores) de mobiliário e materiais pedagógicos, em garantir uma melhor qualidade do produto final.

Porquê?

Porque, por motivos óbvios, todos temos a beneficiar com esta tomada de consciência. Mas é a nova geração, a geração dos nossos bebés, que mais vai beneficiar.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A cola pode ser nociva para a saúde teu filho?
» O verniz ou o óleo são bons para o teu bebé morder?
» Vantagens dos brinquedos de madeira
» A melhor madeira para os bebés
» Sustentabilidade

PARTILHAR

RESPOSTA

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao publicar um comentário neste site, concordas com a politica de privacidade do site acerca de como os teus dados são guardados e geridos.