Carrinho (0,00) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

O que estamos a fazer às nossas crianças?

o que estamos a fazer às nossas crianças

Quando passo no parque infantil ao pé da minha casa, muitas vezes reparo que está vazio.

 

O que estamos a fazer às nossas crianças?

 

Com o aparecimento do bom tempo, seria normal que se vissem mais crianças a brincar na rua.

Embora possa não haver uma relação directa, o que é certo é que, hoje em dia, muitas crianças preferem ficar em casa a olhar para um ecrã, do que brincar fora das quatro paredes.

As crianças aprendem muito por imitação, e os seus primeiros ídolos e professores são os seus pais. E, infelizmente, o mais conveniente para os pais é que os filhos fiquem no ambiente protegido de casa.

E de preferência sossegados. E isso só é possivel se estiverem a brincar com jogos de tabuleiro com os pais, por exemplo.

Ou como os pais muitas vezes andam ocupados e não têm tempo, a brincarem sozinhos.

E qual é a brincadeira, por excelência, que permite que as crianças fiquem quietas no mesmo lugar?

Jogos de computador, telemóveis ou televisão: tudo o que implique olhar para um ecrã!

 

Artigo relacionado: Geração sem fios

 

É urgente quebrar este ciclo e levar as crianças para a rua.

Brincarem umas com as outras, sujarem-se, estarem em contacto com a natureza.

 

Só desta forma a criança pode desenvolver:

  • as suas competências sociais
  • as suas competências de liderança
  • o saber estar
  • a imaginação
  • a criatividade

Infelizmente, existe um termo (muito recente) para designar esta desconexão com a natureza: Transtorno de Deficit de Natureza (criado por Richard Louv).

É muito importante as crianças brincarem livremente, sem regras nem estruturas. Deixar a criança ser criança.

O ser humano precisa do contacto com a natureza para se encontrar, para estar bem consigo próprio. Estamos cada vez mais a criar ambientes preparados em casa para que as crianças usem cada vez menos todos os seus sentidos.

 

Ao olharem para um ecrã, estão apenas a usar a visão e a audição.

As crianças sentem-se menos vivas porque o seu cérebro está a interpretar e a viver a realidade do que estão a ver no ecrã, ao invés de interpretar a sua própria realidade.
O facto de nos sentirmos bem desta forma, é porque estamos num “ambiente seguro”, a observar o que se passa por detrás do ecrã. É uma “partida” que o nosso cérebro nos prega, mas que é necessário combater.

Se temos tendência a ficar mais felizes e mais mentalmente saudáveis quando estamos na natureza, por alguma razão será.

Ainda não existem muitos estudos sobre o autismo, mas alguns pais sentem uma mudança quando levam mais vezes o seu filho autista para a natureza.
Professores também revelam mudanças de comportamento em relação aos seus alunos “problemáticos” quando saem para a natureza: não só estes alunos são bem comportados, como se tornam líderes.

O que estamos a fazer às nossas crianças, ao obrigá-las a estarem sentadas o dia todo em cadeiras nas salas de aula?

A fazerem exames atrás de exames, sempre com a ideia de que só assim serão melhores seres humanos?

 

Artigo relacionado: A Escola Ideal

 

Desta forma, surgem os tais medicamentos (como a Ritalina) para ajudarem a “acalmar” as crianças mais irrequietas. São convenientes para os adultos, mas prejudiciais para a saúde das crianças e com efeitos secundários (e nada benéficos) a longo prazo.

Já pensaste que poderá existir uma relação com o facto de estarmos a retirar às crianças o contacto com a natureza…?
Já para não falar da vitamina D, que tanto nos faz falta, e que estamos a deixar de consumir de uma forma natural.

E a obesidade infantil, que está a aumentar de uma forma assustadora, e que está relacionada com o sedentarismo?

Richard Louv refere mesmo que deixar as crianças sentadas o dia todo é como se fosse o novo fumar.

Como pais, podemos e devemos dar o exemplo, ao retirar os nossos filhos de casa e ir com eles passear pela natureza. Todos ficam a ganhar.
E nem é preciso estar bom tempo. As brincadeiras também acontecem quando está frio ou quando chove, desde que sejam tomadas as devidas precauções com o calçado e o vestuário.

Já tomaste a tua dose diária de ar puro…?

Deixa o teu comentário.

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» Um homem e um bebé
» O Regresso À Rotina
» A importância de ser um pai Presente
» Férias Grandes

RESPOSTA

O seu endereço de email não será publicado.

Ao publicar um comentário neste site, concordas com a politica de privacidade do site acerca de como os teus dados são guardados e geridos.

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian

Categorias de Produtos

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian