Carrinho (0,00) 0
As suas Compras

Não há produtos no carrinho

O Respeito deve estar sempre presente

respeito

A superação dos medos e as primeiras conquistas não são fáceis. Implica respeito pelo desconhecido, quase como se fosse um salto de fé nesta transição.

Muitas vezes somos “empurrados” pela vida para enfrentar os nossos medos, só assim conseguimos evoluir.

Sair da nossa zona de conforto não é fácil.

Somos um animal de hábitos, e tornamo-nos avessos a tudo o que nos faça sair da nossa rotina. É quase considerado como se fosse uma ameaça à nossa sobrevivência, e como tal é colocada de parte.

Até um dia em que não pode ser mais ignorada.

Não é fácil para nós, adultos, e muito menos deverá ser para as crianças.

Medos inexplicáveis nesta vida, poderão fazer parte de traumas vividos num passado distante.

Ou poderão simplesmente serem “manias” infundadas.

O L não é excepção, e, tal como todas as outras crianças, tem os seus medos, que vai vencendo a pouco e pouco. As suas pequenas conquistas vão-lhe dando mais confiança e autonomia para que ele se possa tornar na pessoa que precisa ser.

A sua última conquista foi ultrapassar o medo de andar de elevador.

Muitos de nós, adultos, também temos esse medo.

 

Artigo relacionado: Pequenas conquistas

 

O que é perfeitamente normal, pois nem todos gostamos de estar fechados numa caixa, mesmo que tenha algum espaço.

Breves segundos podem tornar-se longas horas, que nunca mais teimam em passar.

Sempre respeitámos a sua decisão de querer subir e descer pelas escadas, embora lhe tenhamos colocado sempre duas opções: ou pelas escadas ou pelo elevador. Assim como quem não quer a coisa, podia ser que um dia ele optasse pelo elevador…

Nunca lhe impusemos nada.

Aliás, como em tudo na sua fase de crescimento.

Claro que custa subir vários andares pela escada, quando temos o elevador mesmo ao nosso lado à nossa espera…

Certo dia até dissemos que os pais iriam de elevador e ele iria de escadas sozinho, para ver qual a sua reacção. Não se fez rogado e não é que subiu os vários andares de escadas sozinho?! Enquanto a mãe foi no elevador, eu subi atrás dele, às escondidas, só para ver se ele realmente subia tudo sozinho, ou se iria parar a meio. E de facto subiu, inclusive a cantarolar!..

Todos os dias lhe perguntávamos se queria ir de escadas ou de elevador.

Todos os dias dizia que preferia as escadas.

Mas houve um certo dia, em que, agarrado ao seu peluche preferido, disse que queria ir de elevador!

Até antes de lhe termos perguntado alguma coisa.

Qual o motivo? Não sabemos, mas percebemos que estava preparado para assumir o novo desafio.

Claro, vai sempre ao colo de um de nós.

E se antigamente nem sequer queria carregar no botão para chamar o elevador, agora até interage e faz questão de carregar nos botões.

E os pais agradecem.

O que me leva a outro ponto, que é o respeito pelo seu ritmo de desenvolvimento.

Na sociedade actual, vivemos um período de consumismo frenético.

Temos o mundo na ponta dos dedos, onde podemos consultar no telemóvel qualquer tipo de informação, a qualquer hora.

Habituados que estamos a querer tudo no imediato, transmitimos esse estado de ser para os nossos filhos, inconscientemente ou não.

Gritar no trânsito para os carros que não andam, despachar rápido de manhã para não chegar tarde, tomar banho rápido para jantar rápido, etc…

Desde a mais tenra idade que os nossos filhos observam a nossa forma estar perante a vida. Todos os nossos movimentos são escrutinados ao pormenor, para que depois nos possam imitar. Faz parte do seu crescimento.

Que respeito estamos a mostrar pelo próximo com estas atitudes?

Que respeito estamos a mostrar pelo nosso filho, ao não lhe permitirmos fazer as coisas no seu próprio ritmo?

Certo dia estávamos com o L em casa de um familiar, ainda mal ele sabia gatinhar.

Uns primos foram-nos visitar, e também levaram o seu filhote, mais ou menos com a mesma idade. Mas, em comparação com o L, o rapaz já gatinhava que se fartava. Parecia um soldado na trincheira a fugir do inimigo, com o turbo ligado, se é que me faço entender!

Claro, houve logo motivos para comparações, sendo o gatinhar o principal deles.

O pai do rapaz, ao ver que o L quase nem gatinhava, teceu um comentário, a dizer que bastaria uma ajuda da nossa parte (para ser mais correcto, o termo utilizado foi “empurrão”) para o forçar a gatinhar.

 

respeito

 

Ou seja, apressar o desenvolvimento natural do L.

Impor a nossa vontade e o nosso ritmo às suas necessidades.

A minha menina disse-lhe simplesmente que também não se força uma borboleta a sair do casulo. Sai quando estiver pronta.

Hoje o L corre que se farta e aventura-se cada vez mais a fazer coisas novas.

Sabe que tem pais que respeitam as suas escolhas e a sua individualidade, e isso nota-se na sua forma de estar perante a vida.

Maria Montessori dizia que “as crianças são seres humanos a quem se deve o devido respeito, superior a nós pela razão da sua inocência e pelas grandes possibilidades do seu futuro”.

O respeito e confiança no desenvolvimento e nas capacidades do nosso filho mostraram-se cruciais para que o L seja um menino confiante, independente, e cada vez mais audaz.

É maravilhoso observar o seu crescimento.

Qual o teu ritmo?

Qual o ritmo que exiges dos outros?

 

Obrigado pela tua presença.

 

 

Achaste este artigo interessante? Provavelmente estes também vão ser-te úteis:
» A importância de ser um pai Presente
» Levanta-te e luta!
» Um homem e um bebé
» O caminho faz-se… caminhando

RESPOSTA

O seu endereço de email não será publicado.

Ao publicar um comentário neste site, concordas com a politica de privacidade do site acerca de como os teus dados são guardados e geridos.

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian

Categorias de Produtos

PortugueseSpanishEnglishFrenchGermanHungarianItalian